Liderança: 3 Erros que alguns líderes cometem

Ninguém é perfeito, estamos sempre em constante evolução e aprendizado, mas quando a questão é liderança espera-se dos gestores que cada ação executada seja exemplo a ser seguido e consequentemente isento de erros. Não existe tolerância para erros, tão pouco perdão para aspectos negligenciados pelo líder. O que toda empresa espera de seu gestor é que cumpra os objetivos de sua função e alcance resultados positivos.

 Saber atrair e conquistar pessoas para atingirem seus ideais por meio de esforços próprios, reconhecendo e fortalecendo seus potenciais ao mesmo tempo atendendo aos objetivos propostos pela empresa são princípios da arte de liderar.  É importante os lideres estarem sempre atentos às certas questões relacionadas ao seu perfil e na maneira de como são interpretados para evitar  ou excessos que por ventura podem executar.

Pensando em aspectos que prejudicam o desempenho de alguns líderes, este artigo destaca 3 erros comportamentais  que podem prejudicar o processo administrativo e que nem sempre são identificados pela alta gestão.

3 Erros Comportamentais de liderança

1  #   Falta de confiança na equipe

Sabe aquele caso quando um funcionário realiza uma tarefa o gestor vai lá e realiza toda conferência do trabalho executado. Ainda tem aquele que fica sempre observando a tela do computador de seus funcionários para se certificar que o trabalho está sendo mesmo executado e na forma correta.

Ou então, retirar determinadas tarefas de alguns funcionários substituindo por outras que exigem menos responsabilidade ou de mais facilidade, são aspectos de falta de confiança.

 Falta de confiança não é algo incomum nas empresas.

A falta de confiança faz com que as pessoas sintam-se vigiadas e constrangidas, fazendo com que procurem outros líderes para esclarecimento de suas duvidas e aconselhamento.

Ausências seguidas no trabalho, algumas vezes, são decorrentes da desmotivação, ora causadas por comportamentos como falta de confiança de suas chefias.

Um bom líder precisa confiar nas pessoas, pois, se elas foram escolhidas para estarem ali, para executar suas funções é porque possuem aptidões para isto. Caso perceba o contrário o bom caminho seria uma análise de perfil e tentar adequar a pessoa em outra área, se não tiver solução ai sim, o melhor seria desligamento, mas, cuidar de cada etapa do trabalho executado por seu subordinado é uma perda de tempo, que poderia ser disponibilizado a outras partes do trabalho e na análise de resultados gerenciais, por exemplo.

É importante reconhecer o quanto a falta de confiança prejudica o desenvolvimento profissional dos colaboradores, o que acontece muitas vezes é o funcionário se cansar e pedir demissão da empresa.

2  #   Excesso de autoridade

Acreditar que seu cargo lhe dá o direito de mandar como quiser não importa quem quer que seja.

Existem alguns chefes que são agressivos ao expor suas opiniões a determinadas pessoas, não expressam vontade de ouvir objeções de suas ordens e não estão interessados no ponto de vista do outro, entendem que só eles podem falar porque são chefes e evidentemente tem poder e, portanto, sabem mais.

É muito triste quando empresas apresentam líderes com estas características.

O ambiente de trabalho com pessoas assim, torna-se um ambiente pesado, onde as pessoas ficam ressabiadas em expressar opiniões, críticas, por vezes tendem a nem comentar questões à respeito das tarefas que estão realizando, o que pode acarretar em má qualidade, além de afetar na saúde física dos funcionários, pois são grandes as chances de elevar níveis de stress.

O mais comum a acontecer, são as pessoas evitarem o relacionamento, pois, sabem que o quanto sairão estressadas após qualquer conversa.

O excesso de autoridade é um desrespeito para integridade física e mental dos colaboradores, causa de sérios danos, determinadas atitudes ou situações quando repetidas constantemente configuram assédio moral, um crime que pode gerar pena de reclusão.

Chefias assim tornam-se pessoas solitárias, pois, poucos querem desenvolver um relacionamento além do que é necessário e, além do profissional.

 3  #   Egocentrismo

Atitudes de expor o tempo todo todas suas competências, habilidades ou atribuir somente para si o mérito de sucesso conseguido com a ajuda de sua equipe, são características egoístas e infelizmente encontramos muito no meio corporativo.

São características de um estilo de liderança autocrática negativa, onde o que impera é a vaidade e o sentimento de superioridade em relação aos seus subordinados.

Desempenhar um estilo de liderança assim pode fazer com que a equipe torne-se desmotivada, desalinhada com os objetivos da empresa, fora é claro, de uma série de outros problemas como, por exemplo, o aumento de rotatividade de pessoal.

Existem também aqueles que gostam de muita atenção, mostram-se incomodados quando a atenção não está voltada para eles, geralmente tendem a falar mais sobre suas habilidades, sobre seus sucessos passados ou presentes e até mesmo assuntos de sua vida particular para que seja sempre o centro das atenções. De maneira que haja admiração, sim, porque são pessoas que adoram ser admiradas e contempladas.

Normalmente, são pessoas que atraem sinceros admiradores que sentem carinho e respeito pela sua trajetória, os desafios vencidos e selam verdadeiras amizades que vão além do ambiente profissional.

Entretanto por demonstrar que gostam de ser admiradas, elogiadas e queridas acabam atraindo também muitos “puxa sacos’’ aqueles que aproveitam de sua sensibilidade e usam estratégias como elogios excessivos e falsos. Procuram estar sempre por perto e saber de tudo que ocorre no setor, na empresa, na sua vida pessoal, tudo para conseguir alguma vantagem, seja um aumento de salário ou uma promoção.

Conclusão

O líder deve sempre dizer a verdade e agir com transparência.

A transparência sempre será um quesito chave para desenvolver uma equipe consistente e confiante em seus potenciais e em cada decisão tomada por seu líder.

Saber separar assuntos profissionais de assuntos pessoais é muito importante para selar o respeito e profissionalismo dentro ambiente organizacional, reconhecendo competências e a estimulando para crescerem mais como profissionais e como seres humanos.

Mais importante do que falar é saber ouvir as pessoas, desenvolvendo a empatia e aprendendo com os diferentes de ponto de vista, para agir dando aconselhamento e orientando quando necessário.

Ser coerente acima de tudo, assumindo posturas profissionais que vão de encontro ao que se prega, mantendo o respeito e admiração das pessoas e melhores resultados quando se trata em trabalho em equipe.

Pesquisas que levaram a este artigo:

  • como lidar com as amizades na lideranca
  • como trabalhar uma equipe sem atençao e excesso de erro
  • gestos comportamentais de liderança na empresa
  • lideranca que desmotiva os subordinados

Deixe seu comentário, dúvida ou sugestão

Campos obrigatórios são marcados com *