Utilizando Mnemônicos nos Negócios

Autor convidado 

Tá querendo aprender a memorizar com mais facilidade ou fazer com que outros memorizem algo sobre o seu negócio? Conheça a memorização mnemônica. De forma simples, os mnemônicos são um auxiliar de memória.

 Ajudinhas para conseguir lembrar de alguma coisa. Essa é uma técnica de memória baseada em associação e é utilizada em diversas situações. A associação pode ser realizada com palavras, frases, siglas, músicas e imagens por exemplo. Seu princípio é de que a mente humana tem uma facilidade maior de assimilar informações associadas a algo que seja mais fácil de reconhecer do que informações sem significado aparente.

Como a técnica mnemônica é utilizada nos negócios?

No mundo dos negócios, os mnemônicos podem ser utilizados em diversas situações.

Para começar, por meio da criação de acrônimos e acrósticos.

Os acrônimos nada mais são do que siglas que representam algum termo mais extenso.

Por exemplo:

CDL – Clube de Diretores Lojistas

IBM – International Business Machines

PIB – Produto Interno Bruto

FMI – Fundo Monetário Internacional

CRA – Conselho Regional de Administração

No marketing, por exemplo, um dos mais famosos mnemônicos são os 4P’s de Kotler:  Produto, Preço, Promoção, Praça (mercado, público-alvo). Fica mais fácil lembrar dos elementos pensando que são 4 P’s do que simplesmente tentar memorizá-los sem algum tipo de associação como essa.

Um outro mnemônico famoso é o conhecido ciclo PDCA da gestão da qualidade: P-Plan(Planejar), D-Do(Fazer), C-Check(Checar), A-Act(Agir).

Já os acrósticos são palavras formadas a partir de letras de outras palavras.

Por exemplo, imagine uma campanha de endomarketing de uma organização. A empresa quer que seus funcionários memorizem os valores da empresa com maior facilidade. Para isso, cria o acróstico INVESTIR cuja finalidade é ajudar a lembrar cada um de seus 8 valores individualmente:

Inovação
Nicho
Visão
Estratégia
Simplicidade
Trabalho
Improvisar
Resultados

E, se têm um área das empresas com uma infinidade de termos e palavras difíceis de lembrar é o setor de Tecnologia da Informação. Softwares, linguagens de programação, frameworks, processos, hardwares e tudo mais têm muitos nomes e siglas muitas vezes impossíveis de memorizar. Se você for um profissional dessa área, os mnemônicos podem lhe ser muito útil. Por exemplo, para memorizar as características básicas da segurança da informação, você pode lembrar de “àcido” (sem a letra “o” no final): Autenticidade, Confidencialidade, Integridade e Disponibilidade.

A utilização da música para memorizar também é bastante efetiva. O mercado publicitário se utiliza amplamente dessa ferramenta para fazer com que os consumidores memorizem suas marcas. Para isso criam os chamados jingles. Alguns dos jingles que ficaram mais famosos são o do Guaraná Antártica “Eu quero ver pipoca pular, pipoca com Guaraná…”, da Cerveja Bavária com as duplas sertanejas Chitãozinho e Xororó, Leandro e Leonardo e Zezé di Camargo e Luciano cantando “Hoje é sexta-feira, traga mais cerveja, tô de saco cheio, tô pra lá do meio….” e a canção Aquarela de Toquinho e Vinícius de Moraes na propaganda da Faber Castell.

Também tem a técnica mnemônica chamada Palácio da Memória. Esse é um recurso que data da antiguidade. Grandes oradores gregos utilizavam essa técnica para lembrar de tudo que precisavam abordar nos seus longos discursos. No dia a dia dos negócios de hoje, pode ser uma ferramenta interessante de utilizar caso você tenha que dar uma palestra ou fazer uma apresentação numa reunião de equipe por exemplo.

A técnica funciona da seguinte forma. Digamos que você irá fazer uma palestra sobre liderança e queira lembrar de diversos grandes líderes para citar ao longo do seu discurso. Para isso pode imaginar um palácio e cada um desses grandes líderes em um local do palácio. Por exemplo, Steve Jobs abrindo a porta para você na chegada, Bill Gates sentado na sala de jantar, Warren Buffet pintado no quadro, Elon Musk arrumando um lustre e assim por diante.

As imagens são uma outra opção mnemônica. Por exemplo, você pode associar o número 8 a um boneco de neve ou um par de óculos por exemplo. O número 4 pode ser associado a vela de um barco e o número 9 à uma vírgula. Esse é um prato cheio para publicitários que utilizam-se de imagens na hora da criação de logotipos e embalagens de produtos que sejam de fácil memorização pelos consumidores.

Enfim, as opções e aplicações dos mnemônicos são muitas. E agora que você já entendeu como funciona, é só utilizar a sua criatividade para criar os seus, lembrar e ter o seu negócio melhor lembrado daqui pra frente.

Sobre o autor: Juan O’Keeffe é empreendedor, mestre em Administração de Empresas pela PUC-RS e escreve sobre desenvolvimento pessoal no blog EvoluçãoPessoal.com.br.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *